Contos e Lendas: 06/2004

30.6.04

A SÁBIA ILUMINADA
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Perto do templo onde vivia o mestre Hakuin, morava uma jovem com seu pai.
 
Seu nome era Osatsu, e embora segunda a tradição japonesa ela estivesse em idade para casar, por mais que seu pai insistisse ela não queria fazê-lo, preferindo estudar os Sutras.
 
Certo dia, após ler um Sutra, atirou o livro para cima de uma mesa e sentou-se em cima dele, dando gostosas gargalhadas.
 
Assustado, seu pai foi ver Hakuin em busca de conselhos.
 
O mestre resolver ir falar com a menina. Ao ver Hakuin chegar ela sorriu e sentou-se à sua frente.
 
"Disseram-me que sentastes em cima de um Sutra", perguntou o mestre.
 
"Sim," respondeu a mulher, "pois sou mais digna de respeito do que um simples livro de sutras."
 
Hakuin olhou-a e disse:
 
"Nesse caso é melhor ir para o templo e não mais ficar em casa."
 
A partir deste dia Osatsu praticou o Zen sob a orientação de Hakuin.
 
Depois de algum tempo, seguindo os conselhos do mestre, ela casou-se e teve filhos, ainda que continuasse a praticar o Zen.
 
Quando ficou mais velha, ela teve netos, os quais amava muito. Já então era considerada uma sábia mestra.
 
Um dia aconteceu de um de seus jovens netos adoecer e morrer.
 
No dia do funeral, Osatsu abraçou o esquife, e chorou muito.
 
Um dos presentes, estranhando o fato, disse-lhe:
 
"Então, embora sejas Iluminada pela Sabedoria, sofres mais do que nós?"
 
"Eu amava muito este meu neto!" disse simplesmente a sábia Osatsu, entre lágrimas.
 
Koan: O sentimento jamais abandona o sábio. Qual é o segredo do amor sem apegos?






30.6.04

THE CARLYLE GROUP
TEORIA DA CONSPIRAÇÃO
 
 
Para quem acredita em Teoria da Conspiração, isto é fascinante; para quem não, será ao menos interessante e para os matemáticos representará toda uma explicação de como podem haver tantas casualidades numa mesma coincidência:
 
Existe uma imensa companhia chamada The Carlyle Group avaliada nuns 14 bilhões de dólares , a qual é propriedade de um grupo de poderosos e influentes republicanos de Washington DC.
 
Esta companhia é basicamente uma holding que agrupa e tem enormes interesses financeiros em companhias dos ramos de engenharia civil, energia, hotelaria, defesa e operações...
 
Apenas citando as que nos interessam hoje, existem várias companhias dentro de Carlyle: The Bin Laden Group com sede em Riyadh, Arábia Saudita, e as companhias norte-americanas United Defense Industries (Virginia), Raytheon (Massachusetts) e Arbusto Energy Oil Co (Texas).
 
Ainda que não tenha nada a ver com esta história, e apenas como curiosidade, mencionaremos outra muito famosa dentro da Carlyle: Enron.
 
Voltando ao tema: The Bin Laden Group é o gigante empreiteiro de engenharia civil do oriente médio.
 
Recordemos que Osama Bin Laden amealhou grande parte de sua fortuna no negócio da construção, ainda que também, e isto não vem ao caso, mas como curiosidade, como o principal fornecedor de goma arábica para a Coca-Cola, com sede em Atlanta (talvez se tivessem pensado em não tomar Coca Cola não acontecesse a guerra?).
 
Enfim, dentro da Carlyle,as famílias Bush e Bin Laden têm sido oficialmente sócios comerciais desde 1989.
 
O irmão mais velho de Osama bin Laden, Salem bin Laden e George Bush pai, criaram uma companhia petroleira no Texas em 1989, a Arbusto Energy Oil Co. (arbusto=bush), e foram sócios por vários anos até a morte de Salem com a queda do seu jato particular nas cercanias de Houston em 1993.
 
George Bush pai é agora acionista majoritário dessa companhia, com investimentos multimilionários e interesses dentro do gigante petroleiro Chevron-Texaco.
 
Raytheon, localizada em Massachusetts, (a umas 40 milhas a oeste de Boston), fabrica o sistema de guia para os mísseis Tomahawk (quem não viu as cenas nos noticiários destes mísseis decolando de barcos e atingindo alvos com precisão cirúrgica, como se fosse um vídeo game), sistemas de posicionamento global por satélite (GPS) e sistemas integrados de radar para todas as forças armadas dos EUA.
 
Outra das companhias dentro do grupo, é a United Defense, localizada na Virginia, em Washington DC, a qual fabrica sistemas de lançamento de mísseis (hardware e software) para a US Navy e a USAF.
 
Para que entendamos: os mísseis Tomahawk da Raytheon, são lançados de plataformas fabricadas pela United Defense instalados em cada barco e submarino da marinha dos EUA e na maioria dos bombardeiros B-52, B-1 Lancer e B-2 Spirit da força aérea.
 
O Bin Laden Group, foi o principal contratante civil para a reconstrução do Kuwait após a Guerra do Golfo e, como dissemos, é o maior contratante de engenharia civil no oriente médio atualmente.
 
A esta companhia também se ajudiciaram a construção e remodelação das bases aéreas para a USAF, RAF (Royal Air Force) e a RAAF (Royal Arabian Air Force) durante a guerra do Golfo na Arábia e nos Emirados Árabes Unidos, assim como a ampliação da base da USAF em Incirlik, Turquia.
 
Que benefícios há para The Carlyle Group, e suas associadas e seus acionistas com o início da guerra?:
 
A Chevron-Texaco, e por conseguinte, Arbusto Energy obteriam cifras gigantescas quando a guerra disparasse o preço do petróleo e das ações destas companhias (direto para o bolso da família Bush).
 
A Raytheon e United Defense elevariam o valor de suas ações na NASDAQ e suas vendas poderiam quintuplicar- se com a guerra somente em um quarto do ano fiscal gerando lucros astronômicos para seus acionistas.
 
De fato, e curiosamente, a United Defense acaba de colocar no mês passado na NASDAQ, 300 milhões de dólares em ações que foram praticamente arrebatadas por compradores prevendo a alta no seu preço (direto para o bolso da família Bush).
 
The Bin Laden Group sem dúvida alguma, seria o principal contratado civil para a reconstrução de Bagdá e a construção de bases militares e infra-estruturas para as mesmas, controladas pelos EUA no Iraque, fecharia contratos bilionários (direto para o bolso da família Bin Laden).
 
Dois dos executivos de maior porte no The Carlyle Group são George Bush pai, e John Major, ex - primeiro - ministro britânico, protagonistas principais da guerra no Golfo no início dos anos 90.
 
O CEO de Carlyle e Frank C. Carlucci, ex-secretário de defesa durante a administração Reagan, ex-chefe da CIA, e ex-companheiro de escola de Donald H. Rumsfeld, atual secretário de defesa. Também é amigo pessoal de Dick Cheney, atual Vice - Presidente e ex-chefe Adjunto do Staff de George Bush pai durante a guerra do Golfo.
 
Dick Cheney era o chefe direto do General Norman Schwarzkpoff, Comandante-em-Chefe das forças aliadas durante a guerra.
 
Ou seja, há 10 anos e hoje, são os mesmos personagens envolvidos na guerra contra o Iraque.
 
George Bush filho, é só um títere neste circo.
 
Coincidência?? Afinal de contas, duas famílias permanecem unidas e ganhando cifras de 7 zeros com a guerra: Bush e Bin Laden.
 
É por isso que ainda que o Iraque cumpra com todas e cada uma das resoluções da ONU, de qualquer forma haverá guerra.
 
Há muito dinheiro envolvido.
 
Dentro deste lodaçal, não é de se estranhar que o mesmo Saddam Hussein seja parte do teatro e possa obter benefícios com esta guerra pré-fabricada.
 
Outro dado de interesse geral:
 
Sabiam que a firma Morgan, Stanley, Dean, Witter & Co ganhou 1.2 milhões de dólares e a firma Merril Lynch ganhou 5.5 milhões de dólares mediante a execução de uma ferramenta burocrática chamada Put Option, com ações da American Airlines, duas semanas depois dos atentados de 11/09?...bom, e o que há de estranho?....resposta: a Put Option é uma opção que cobre riscos; se você compra uma ação a 1 dólar e uma semana depois ela regressa ao emissor e a ação vale 0.8, o emissor está obrigado a pagar os 0.2 de diferença mais o dólar que custou a ação.
 
Esta é uma ferramenta financeira usada por muitas companhias dentro de NASDAQ e a NYSE para manter seu capital fresco.
 
Aqui vai algo surpreendente: ambas companhias estavam localizadas nas torres gêmeas do WTC (uma em cada torre), ambas compraram ações da American Airlines entre o dia 6 e o dia 10 de setembro mediante Put Options e ambas se voltaram a vender a American Airlines mediante a execução do contrato entre o 29 de Setembro e o 10 de Outubro, quando o valor da ação havia caído quase uns 40%.....em 11/09, ninguém dos altos executivos de ambas companhias se encontravam em seus escritórios na hora dos atentados.
 
Casualmente estavam em juntas de negócios na área do Central Park, no distrito financeiro de upper Manhattan.
 
Coincidência?Em ambas companhias, perderam-se as vidas de uns 350 empregados em ambas torres.
 
Outro dado curioso:
 
Atualmente, um dos irmãos menores de Osama bin Laden, está por concluir seus estudos na escola de leis de Harvard, em Boston, onde tem vivido por 5 anos. Por certo que de Boston, partiram os 2 aviões que derrubaram as torres gêmeas.Outra coincidência?
 
Este é o negocio da guerra!...
 
Toda a informação contida aqui, foi investigada e obtida e pode ser verificada nas seguintes fontes: The Carlyle Group, The Washington Post, The Baltimore Chronicle, The New York Times, CNN, CNN Money e em suas respectivas páginas na Internet. Isto não é um conto, é a pura realidade.
 
*Textos com o Tag TEORIA DA CONSPIRAÇÃO e HOAX são publicados a titulo de curiosidade. Não confirmo e nem acredito na veracidade, etc.






30.6.04

HOWARD HENDRICKS
CONTOS E LENDAS
 
 
Quando eu era menino, gostava de andar a esmo pelo parque perto de casa e observar alguns homens idosos jogando damas. Certo dia, um deles convidou-me para jogar. A princípio, o jogo parecia fácil. “Comi” uma peça dele e, depois, outra. De repente, ele pegou uma peça e foi saltando várias outras pelo tabuleiro, até chegar ao lado oposto, e gritou:
 
— Fiz uma dama!
 
Após dizer isso, ele “comeu” todas as minhas peças.
 
Naquele dia, aprendi o que significa visão de longo alcance. Ninguém se importa em perder algumas peças se estiver com os olhos fixos no lado oposto do tabuleiro, ou seja, no território da dama.
 
Não existem situações sem esperança na vida...existem apenas homens que se sentem desesperados em relação a elas.






30.6.04

BOB PERKS
TRADUÇÃO: SERGIO BARROS
CONTOS E LENDAS
 
 
- Papai posso tocar uma canção para você? Disse a criança. 
 
- Claro, meu amor, seu pai respondeu. 
 
A criança sentou-se ao piano, cuidadosamente colocou seus dedos sobre as teclas e tocou uma nota. Virou a cabeça em direção a seu pai e sorria enquanto esperava por sua aprovação. Ele não disse uma palavra. 
 
- Papai, você não gostou de minha canção? Ela perguntou. 
 
- Então era isso? Isso não foi uma canção. Foi apenas uma nota. Uma canção tem muitas notas! Ele lhe respondeu. 
 
A criança então voltou em direção ao piano e lentamente tocou a mesma nota repetidas vezes. Parou e olhou para ele esperando que agora tivesse agradado. 
 
- Uma canção é composta de muitas notas, não uma só tocada umas cem vezes. 
 
Aborrecida com a resposta, ela desceu do banco e foi embora. 
 
Percebendo que fora insensível em sua resposta, ele a seguiu até o quarto. 
 
Ela estava sentada na cama, cabeça baixa e choramingando. 
 
- O que há de errado? Ele perguntou. - Sinto muito. Mas uma nota não faz uma canção. 
 
- Mas vovó disse que minha vida é uma canção. 
 
- Ela está certa. Sua vida é uma linda canção. Seu pai garantiu. 
 
Olhando para ele, ainda com lágrimas nos olhos, ela disse, 
 
- Mas eu sou apenas uma nota. 
 
Eu conheço este sentimento. Eu conheço a dor de sentir-se tão singularmente insignificante. Mas descobri algo importante... uma nota é uma canção. 
 
Visitei uma loja de instrumentos musicais. Tinham um xilofone. Ignorei o cartaz que dizia: "Não toque! O vendedor lhe ajudará". Segurei o martelete em minha mão e golpeei apenas uma nota pensando que seria breve e seria desprezada. Mas ela ressonou pelo que me pareceu uma eternidade. Suficientemente longo para que o vendedor ouvisse e se aproximasse. 
 
- Sabe tocar? Ele perguntou. 
 
- Não, nunca aprendi. Respondi. 
 
- Obviamente você nunca aprendeu a ler cartazes também. Disse gentilmente e rindo. 
 
- Eu gostaria de tocar mas só sei uma nota. Lhe contei. 
 
- Para um compositor, cada canção começa com uma nota. Para você, aquela nota é sua canção. Ele disse. 
 
Meu amigo, você é uma canção de Deus na sinfonia da vida. Tocada repetidamente, quem você é e o som que você faz na peça inspirada por Deus, ressona eternamente. 
 
Você é uma palavra, também. 
 
No livro da vida, que tem muitas páginas, sua palavra única forma volumes. 
 
E a sua palavra é "Amor?", "Alegria?" ou é "Desespero?", "Derrota?". Pense bem... 
 
"Uma nota... Uma palavra!"






30.6.04

O TEMPO
WILLIAM SHAKESPEARE
CONTOS E LENDAS
 
 
O tempo é muito lento para os que esperam,
muito rápido para os que tem medo,
muito longo para os que lamentam,
muito curto para os que festejam.
Mas , para os que amam,
o tempo é eternidade...






30.6.04

UMA VIDA INÚTIL?
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Um bondoso fazendeiro tornou-se velho demais para poder trabalhar nos campos. Assim ele passava seus dias apenas sentado na varanda, feliz em observar a natureza. Seu filho era uma pessoa insensível e ambiciosa que não gostava de dar duro. Mas, ainda trabalhando na fazenda, podia observar seu pai de vez em quando ao longe.
 
"Ele é inútil," o filho falou para si mesmo, agastado, "ele não faz nada!"
 
Um dia o filho ficou tão frustado por ver seu pai numa vida que ele considerava absurda, que construiu um caixão de madeira, arrastou-o até a varanda e disse insensivelmente para o seu pai entrar nele. Sem dizer uma palavra, o pai deitou-se no caixão. Após fechar a tampa, o filho arrastou o caixão até as fronteiras da fazenda onde existia um grande abismo.
 
Quando ele se aproximou da beira, ouviu uma suave batida na tampa, de dentro do caixão. Ele abriu-o. Ainda deitado lá pacificamente, o pai olhou para seu filho.
 
"Sei que você vai lançar-me no abismo, mas antes de fazer isso posso lhe sugerir uma coisa?"
 
"O que é?" disse o filho, confuso e algo constrangido por ver seu pai tão calmo.
 
"Lance-me ao abismo, se quiser," disse o pai, "mas salve este bom caixão de madeira. Seus filhos podem querer usá-lo um dia com você..."






30.6.04

IMPERMANÊNCIA
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Um famoso mestre espiritual aproximou-se do Portal principal do palácio do Rei.
 
Nenhum dos guardas tentou pará-lo, constrangidos, enquanto ele entrou e dirigiu-se aonde o Rei em pessoa estava solenemente sentado, em seu trono.
 
"O que vós desejais?" perguntou o Monarca, imediatamente reconhecendo o visitante.
 
"Eu gostaria de um lugar para dormir aqui nesta hospedaria," replicou o professor.
 
"Mas aqui não é uma hospedaria, bom homem, "disse o Rei, divertido, "Este é o meu palácio."
 
"Posso lhe perguntar a quem pertenceu este palácio antes de vós?" perguntou o mestre.
 
"Meu pai. Ele está morto."
 
"E a quem pertenceu antes dele?"
 
"Meu avô," disse o Rei já bastante intrigado, "Mas ele também está morto."
 
"Sendo este um lugar onde pessoas vivem por um curto espaço de tempo e então partem - vós me dizeis que tal lugar NÃO É uma hospedaria?"






29.6.04

SUSAM MAYCINIK
CONTOS E LENDAS
 
 
— Posso falar com a gerente?
 
A súbita pergunta de minha amiga à garçonete me surpreendeu. Nosso jantar em uma pizzaria popular havia transcorrido em nenhuma anormalidade, e eu me perguntava o que Eileen tinha em mente.
 
A gerente se aproximou de nossa mesa alguns minutos depois.
 
— Em que posso ser útil? — ela perguntou hesitante, como se estivesse esperando mais uma reclamação de uma cliente zangada.
 
— Eu só queria lhe contar que a garçonete que nos atendeu hoje foi excelente — Eileen começou a dizer, descrevendo, em seguida, as várias coisas que a atendente havia feito e que tanto a impressionaram.
 
Evidentemente, a gerente ficou aliviada — e encantada, O mesmo aconteceu com a garçonete, que estava em pé, ao lado da mesa. Nos quatro rimos e conversamos por alguns minutos. Eileen havia transformado em sucesso o dia de duas mulheres esforçadas... e fez com que ficasse gravada em minha mente uma impressão indelével do poder das palavras positivas.
 
Quando pensamos em nossas palavras, é fácil nos concentrar nas pessoas que gostaríamos de censurar. Felizmente, existem certas frases que quase sempre têm um momento certo de ser proferidas —palavras que transmitem amor e incentivo. Aqui estão algumas delas:
 
“Seu trabalho foi excelente”.
“Posso orar por você neste momento?”.
“Como você realmente está?”.
“Suas palavras me ajudaram”.
“Eu estava errado(a)”.
“Obrigado(a), por me conduzir/servir”.
“Eu ofendi você?”.
“Gosto da maneira como você ________”.
“Em que posso ser útil?”.
“Conte-me sobre seu dia, seu trabalho, seus filhos...
“Por favor, perdoe-me”.
“Eu ainda o(a) amo.”
“Deus é tão grande a ponto de __________”.
“Estou orgulhoso(a) de você”.
“Você está se desenvolvendo bem”.
“Por favor, venha jantar conosco”.
“Senti sua falta”.
“Estou muito feliz por você”.
“Orei por você hoje”.
“Deve ter sido muito difícil!”.
“Aceito com satisfação!”.
 
Em resumo, se existem palavras que você gostaria de ouvir, tenha certeza de que elas também servem para encorajar os outros.






29.6.04

BUDA - ALÉM DAS PALAVRAS
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Certa vez estava Buddha sentado sob uma árvore, com os seus discípulos reunidos à sua volta esperando que ele iniciasse seu discurso.
 
Em determinado momento, Buddha calmamente inclinou-se e colheu uma flor. Levantou-a à altura de seu rosto e girou-a suavemente.
 
Seus discípulos ficaram espantados e confusos, e murmuraram entre si questionando o sentido daquilo.
 
Dentre eles, apenas Kashyapa entendeu o gesto, sorrindo. Shakyamuni
 
Buddha percebeu que Kashyapa tinha compreendido, e lhe disse:
 
"O método de Meditação que ensino é ver as coisas como elas são, nada rejeitar e tratar as coisas com alegria, vendo claramente sua face original. Esse Dharma misterioso transcende a linguagem e os princípios racionais. O pensamento lógico não pode ser usado para obter a Compreensão; apenas com a sensibilidade da não-mente alcança-se a Verdade. Vós compreendestes. Por isso, concedo-lhe a partir deste momento o espírito do Dhyana."






29.6.04

BASO E A MEDITAÇÃO
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Quando jovem, Baso praticava incessantemente a Meditação. Certa ocasião, seu Mestre Nangaku aproximou-se dele e perguntou-lhe:
 
- Por que praticas tanta Meditação?
 
- Para me tornar um Buddha.
 
O Mestre tomou de uma telha e começou a esfregá-la com um pedra.
 
Intrigado, Baso perguntou:
 
- O que fazeis com essa telha?
 
- Pretendo transformá-la num espelho.
 
- Mas por mais que a esfregueis, ela jamais se transformará num espelho! será sempre uma pedra.
 
- O mesmo posso dizer de ti. Por mais que pratiques Meditação, não te tornarás Buda.
 
- Então o que fazer?
 
- É como fazer um boi andar.
 
- Não entendo.
 
- Quando queres fazer um carro de bois andar, bates no boi ou no carro?
 
Baso não soube o que responder e então o Mestre continuou:
 
- Buscar o Estado de Buda fazendo apenas Meditação é matar o Buda.
 
Dessa maneira, não acharás o caminho certo.






29.6.04

PROBLEMAS NO CÉU
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Deus fazia a sua costumeira ronda pelo céu.
 
Percebeu que algumas pessoas não eram suficientemente puras para estar ali.
 
Elas mesmas se envergonhavam diante dos bem aventurados, gente de imaculada beleza!
 
"O que está acontecendo?", pensou Deus.
 
"Será que Pedro não está vigiando bem a porta do céu? Por que ele está deixando essa gente entrar? Será que a idade avançada debilitou a sua coragem? Isso não pode continuar."
 
Pediu, então, a um anjo mensageiro que fosse chamar Pedro.
 
O anjo chegou aonde Pedro estava.
 
Tomava conta da entrada do céu.
 
Parecia muito feliz e tranqüilo.
 
"Pedro", disse o anjo, "vim substituir você um pouquinho, Deus precisa falar com você."
 
Pedro foi depressa ao encontro do Senhor.
 
Chegando à sua presença fez uma profunda reverência.
 
O Senhor foi logo dizendo:
 
"Há muita gente que não deveria estar aqui nesta santa e celestial morada. Por que você as deixou entrar?"
 
Pedro respondeu assustado:
 
"Não é possível! Como isso pôde acontecer? Estou tão surpreso quanto o Senhor! Fico no meu lugar, dia e noite, vigiando a entrada do céu. Permaneço atento para que só entrem as pessoas que estão purificadas."
 
"Calma Pedro. Talvez alguém esteja trapaceando. Olhe! Você conhece aquelas pessoas?"
 
"Não Senhor. Francamente, nunca as vi e com certeza não passaram por mim. Eu lhe prometo que vou encontrar o responsável por isso. Se eu não conseguir, o Senhor pode me tirar o cargo de porteiro do céu."
 
Pedro voltou rapidamente para o seu posto.
 
Conferiu a fechadura.
 
Verificou se não havia alguma entrada clandestina.
 
Nada. Tudo estava na mais perfeita ordem.
 
Sorriu tranqüilo e continuou vigiando a grande porta.
 
Poucos dias depois para a sua surpresa, constatou a presença de novos intrusos.
 
Por onde entraram? Como? Quando?
 
Foi logo procurar Deus.
 
Ambos resolveram então permanecer perto da entrada para descobrir o que estava acontecendo.
 
Ficaram bem atentos. O que viram?
 
Uma cena fantástica!
 
Fora do céu, nas proximidades da porta de entrada, uma multidão chorava.
 
Eram as pessoas que Pedro não deixara entrar.
 
Profundamente comovida, lá estava "Maria" ajudando-os.
 
A Mãe de Deus encostara uma escada no muro e fazia as pessoas subir por ela e entrar no céu.
 
Pedro suspirou aliviado.
 
Tendo provado a sua inocência, disse para Deus:
 
"Talvez seja bom o Senhor ter uma conversa com ela..."
 
Mas Deus, vendo o carinho, a doçura e a ternura com que Nossa Senhora tratava aqueles infelizes, concluiu:
 
"Não adianta, Pedro. Você a conhece bem. Ela sempre vai conseguir um jeitinho de continuar ajudando!"
 
Afinal .
 
"MÃE ... É MÃE!






29.6.04

A RESPOSTA
EMMANUEL - CHICO XAVIER
CONTOS E LENDAS
 
 
O homem desesperado alcançou, um dia, a presença do Cristo e clamou:
 
- Senhor, que fazer para sair do labirinto da Terra?
 
Tudo sombra... Maldade e indiferença, angústia e aflição dominam as criaturas que, ao meu ver, se debatem num mar de trevas...
 
Senhor, onde o caminho que me assegure a libertação?
 
Jesus afagou o infeliz e respondeu generosamente:
 
- Filho, ninguém te impede de acender a própria luz.






28.6.04

PREDESTINAÇÃO IMPREVISÍVEL
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Certa vez um budista leigo chamado Pang foi visitar Yao-shan. Quando estava indo embora, o mestre pediu a dois hóspedes do mosteiro:
 
"Por favor, acompanhem-no até o portão."
 
Ao sair pela portão, Pang percebeu que começava a nevar. Maravilhado, comentou para seus companheiros:
 
"Ah, que lindo, vejam estes flocos de neve! Todos caindo no lugar certo!"
 
Um dos praticantes, riu-se arrogantemente e replicou, debochado:
 
"Ah! E onde deveriam cair exatamente flocos de neve?"
 
Pang virou-se e exclamou:
 
"IDIOTA! Olhe para você! Seus olhos vêem como um cego e sua boca fala como um mudo! E ainda se considera um praticante Zen!"
 
Koan: Qual o destino do que é impermanente e relativo?






28.6.04

ANSIANDO POR DEUS
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Um sábio estava meditando à margem de um rio quando um homem jovem, um tanto entusiasmado, o interrompeu.
 
"Mestre, eu desejo ser seu discípulo!", disse o jovem.
 
"Por quê?" replicou o sábio.
 
O jovem era uma pessoa que sempre ouviu falar dos caminhos espirituais, e tinha uma idéia fantasiosa e romântica deles. Em sua imaturidade, ele achava que ser "espiritual" era algo como participar de um movimento, de uma crença, de uma moda, sem grandes conseqüências. Ele então pensou numa resposta bem "profunda" e disse:
 
"Porque eu quero encontrar DEUS!"
 
O sábio pulou de onde estava, agarrou o rapaz pelo cangote, arrastou-o até o rio e mergulhou sua cabeça sob a água. Manteve-o lá por quase um minuto, sem permitir que respirasse, enquanto o terrificado rapaz chutava e lutava para se libertar. Finalmente o mestre o puxou da água e o arrastou de volta à margem. Largou-o no chão, enquanto o homem cuspia água e engasgava, lutando para retomar a respiração e entender o que acontecera. Quando ele eventualmente se acalmou, o sábio lhe perguntou:
 
"Diga-me, quando estava sob a água, sabendo que morreria, o que você queria mais do que tudo?
 
"Ar!", respondeu o jovem, amuado.
 
"Muito bem", disse o mestre. "Vá para sua casa, e quando você souber ansiar por um Deus tanto quanto você acabou de ansiar por ar, pode voltar a me procurar."






28.6.04

MULHER OU ANJO ?
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Certo dia parei para observar as mulheres e só pude concluir uma coisa: elas não são humanas.
 
São espiãs.
 
Espiãs de Deus, disfarçadas entre nós.
 
Pare pra refletir sobre o sexto-sentido.
 
Alguém duvida de que ele exista?
 
E como explicar que ela saiba exatamente qual mulher, entre as presentes, em uma reunião, seja aquela que dá em cima de você?
 
E quando ela antecipa que alguém tem algo contra você, que alguém está ficando doente ou que você quer terminar o relacionamento?
 
E quando ela diz que vai fazer frio e manda você levar um casaco?
 
Rio de Janeiro, 40 graus, você vai pegar um avião pra São Paulo.
 
Só meia-hora de vôo.
 
Ela fala pra você levar um casaco, porque "vai fazer frio".
 
Você não leva.
 
O que acontece?
 
O avião fica preso no tráfego, em terra, por quase duas horas, depois que você já entrou, antes de decolar.
 
O ar condicionado chega a pingar gelo de tanto frio que faz lá dentro!
 
Começam os murmúrios:
 
"Bem que minha mãe avisou"; "a minha namorada chegou a tirar meu casaco do armário e eu não quis trazer"...
 
As passageiras simplesmente tiram os casacos das bolsas.
 
Como é que elas sabiam?
 
"Leve um sapato extra na mala, querido. Vai que você pisa numa poça..."
 
Se você não levar o "sapato extra", meu amigo, leve dinheiro extra para comprar outro. Pois o seu estará, sem dúvida, molhado...
 
O sexto-sentido não faz sentido!
 
É a comunicação direta com Deus!
 
Assim é muito fácil...
 
As mulheres são mães!
 
E preparam, literalmente, gente dentro de si.
 
Será que Deus confiaria tamanha responsabilidade a um reles mortal?
 
E não satisfeitas em gerar a vida, elas insistem em ensinar a vivê-la, de forma íntegra, oferecendo amor incondicional e disponibilidade integral.
 
Fala-se em "praga de mãe", "amor de mãe","coração de mãe"...
 
Tudo isso é meio mágico...
 
Talvez Ele tenha instalado o dispositivo "coração de mãe" nos "anjos da guarda" de Seus filhos (que, aliás, foram criados à Sua imagem e semelhança...).
 
E sua beleza?
 
No reino animal, em geral, o macho é o mais belo.
 
O leão, o pavão, o condor...
 
Nem é preciso dizer que a raça humana foge à regra...
 
As mulheres choram. Ou vazam?
 
Ou extravasam?
 
Homens também choram, mas é um choro diferente.
 
As lágrimas das mulheres têm um não sei quê que não quer chorar, um não sei quê de fragilidade, um não sei quê de amor, um não sei quê de tempero divino, que tem um efeito devastador sobre os homens...
 
É choro feminino.
 
É choro de mulher...
 
Já viram como as mulheres conversam com os olhos?
 
Elas conseguem pedir uma a outra para mudar de assunto com apenas um olhar. Elas fazem um comentário sarcástico com outro olhar.
 
E apontam uma terceira pessoa com outro olhar.
 
Quantos tipos de olhar existem ?
 
Elas conhecem todos...
 
Parece que freqüentam escolas diferentes das que freqüentam os homens!
 
E é com um desses milhões de olhares que elas enfeitiçam os homens.
 
En-fei-ti-çam!
 
E tem mais!
 
No tocante às profissões, por que se concentram nas áreas de Humanas?
 
Para estudar os homens, é claro!
 
Embora algumas disfarcem e estudem Exatas...
 
Nem mesmo Freud se arriscou a adentrar nessa seara.
 
Ele, que estudou, como poucos, o comportamento humano,disse que a mulher era "um continente obscuro".
 
Quer evidência maior do que essa?
 
Qualquer um que ama se aproxima de Deus.
 
E com as mulheres também é assim.
 
O amor as leva para perto dele, já que Ele é o próprio amor.
 
Por isso dizem "estar nas nuvens", quando apaixonadas.
 
É sabido que as mulheres confundem sexo e amor.
 
E isso seria uma falha, se não obrigasse os homens a uma atitude mais sensível e respeitosa com a própria vida.
 
Pena que eles nunca verão as mulheres-anjos que têm ao lado.
 
Com todo esse amor de mãe, esposa e amiga, elas ainda são mulheres a maior parte do tempo.
 
Mas elas são anjos depois do sexo-amor.
 
É nessa hora que elas se sentem o próprio amor encarnado e voltam a ser anjos.
 
E levitam.
 
Algumas até voam.
 
Mas os homens não sabem disso.
 
E nem poderiam.
 
Porque são tomados por um encantamento que os faz dormir nessa hora...






25.6.04

O QUE ESTAIS FAZENDO?
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Shih-t'ou, certa vez, perguntou ao seu discípulo Yueh-shan:
 
"O que estais fazendo aqui?"
 
"Nada estou fazendo", respondeu o pupilo.
 
"Então estais gastando seu tempo!" Disse o mestre, testando-o.
 
"Não será também gastar o tempo, quando fazemos alguma coisa?" replicou o monge.
 
"Dizeis que nada estais fazendo, mas quem é este indivíduo que nada faz?"
 
Respondeu Yueh-shan:
 
"Até o mais sábio não pode saber."






25.6.04

PONTE DE PEDRA
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Havia uma famosa ponte de pedra no Monastério de Chao-Chou (Joshu) que era uma atração do lugar. Certa vez um monge viajante afirmou:
 
"Já ouvi falar sobre a famosa ponte de pedra, mas até agora não a vi. Vejo somente uma tábua."
 
"Vedes uma tábua," confirmou Chao-chou, "e não vedes a ponte de madeira."
 
"Então onde está a ponte de pedra?" perguntou o monge.
 
"Acabastes de cruzá-la", disse prontamente Chao-Chou.






25.6.04

A GARDÊNIA BRANCA
MARSHA ARONS
TRADUÇÃO DE SERGIO BARROS
CONTOS E LENDAS
 
 
Todo ano em meu aniversário, desde que fiz 12 anos, um gardênia branca me era entregue anonimamente em minha casa.
 
Nunca havia um cartão ou uma nota, e as chamadas à floricultura eram em vão porque a compra era feita sempre em dinheiro.
 
Após um tempo, eu parei de tentar descobrir a identidade do remetente.
 
Me deliciava apenas com a beleza e o perfume mágico daquela perfeita flor branca suavemente envolvida em papel rosa.
 
Mas eu nunca parei de imaginar quem poderia ser o remetente.
 
Passei alguns de meus mais felizes momentos em devaneios sobre alguém maravilhoso e emocionante, mas demasiado tímido para tornar conhecido sua identidade.
 
Em minha adolescência, era divertido especular que o remetente poderia ser um menino apaixonado.
 
Minha mãe sempre contribuía com minhas especulações.
 
Perguntava-me se haveria alguém para quem eu tivesse feito uma bondade especial, que pudesse demonstrar a apreciação anonimamente.
 
Lembrou-me dos tempos em que eu deixava minha bicicleta para ajudar nosso vizinho a descarregar o carro e cuidar para que as crianças não fossem para a rua.
 
Ou talvez o misterioso remetente fosse o senhor idoso do outro lado da rua.
 
Eu freqüentemente recolhia sua correspondência na caixa e o entregava, assim ele não teria que se arriscar descendo a escada gelada.
 
Minha mãe fez o melhor que pôde para aguçar minha imaginação sobre a gardênia.
 
Queria que suas crianças fossem criativas.
 
Também queria que tivéssemos a sensação de sermos estimados e amados, não apenas por ela, mas pelo mundo todo.
 
Quando fiz 17 anos, um menino machucou meu coração. Naquela noite tudo o que eu queria era dormir.
 
Quando acordei pela manhã, havia uma mensagem, feita com batom, em meu espelho:
 
"Saiba, quando meio-deus se vai, Deus chega".
 
Pensei sobre essa frase por muito tempo, e a deixei onde minha mãe a escreveu até que meu coração se curasse.
 
Quando eu limpei o vidro, minha mãe sabia que tudo estava bem, novamente.
 
Mas havia algumas feridas que minha mãe não poderia curar.
 
Um mês antes de minha formatura, meu pai morreu, repentinamente, de um ataque de coração.
 
Me desinteressei completamente por minha formatura e pelo baile, pelo qual eu tinha esperado muito.
 
Minha mãe, em meio à seu próprio sofrimento, não admitia que eu faltasse.
 
Um dia antes da morte de meu pai, ela e eu saímos para comprar um vestido para o baile e encontramos um espetacular.
 
Mas era do tamanho errado, e quando meu pai morreu, no dia seguinte, eu me esqueci do vestido.
 
Minha mãe não .
 
Um dia antes do baile, eu encontrei o vestido esperando por mim - no tamanho certo.
 
Eu posso não ter me importado em ter um belo vestido novo, mas minha mãe se importou.
 
Ela se importava em como suas crianças se sentiam sobre si mesmas.
 
Ela nos imbuiu com um sentido mágico e nos deu habilidade de ver a beleza mesmo na hora da adversidade.
 
Na verdade, minha mãe queria que suas crianças se vissem como a gardênia - encantadora, forte, perfeita, com uma aura mágica e um pouco de mistério.
 
O ano em que minha mãe morreu foi o ano em que pararam de chegar as gardênias.






25.6.04

AUTOPIEDADE
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Dois velhos amigos se encontraram, após muitos anos. Entretanto, a vida tinha levado um a se tornar muito rico e o outro miserável.
 
Eles ficaram juntos muitas horas, trocando remininscências e bebendo saquê. O homem rico era muito generoso e afável, mas seu amigo só sabia se entregar à autopiedade.
 
Após certo tempo, o homem miserável adormeceu, e seu amigo, condoído com sua condição, resolveu lhe dar uma dádiva e antes de partir introduziu-lhe no bolso um belo diamante. "Se meu pobre amigo estiver em dificuldades poderá conseguir uma boa soma com a venda desta jóia", pensou o bom homem.
 
Anos se passaram e os dois amigos de novo se encontraram. Mas o homem miserável continuava assim, e ainda se lamentando.
 
"Mas como ainda estás tão pobre depois de tantos anos?", perguntou o rico, surpreso.
 
"Pobre de mim!", lamuriou-se o outro, "Sou inútil, e ninguém se importa comigo! Sou incapaz de ganhar dinheiro para sobreviver!"
 
"Tua autopiedade e egoísmo te fizeram um tolo! Não fosse tua profunda cegueira auto-indulgente, poderias há muito ter percebido o tesouro que deixei em teu bolso!"






25.6.04

DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Por volta dos anos 700, na cidade italiana de Lanciano, viviam no mosteiro de S. Legoziano os monges basilianos e, entre eles, havia um cuja fé parecia vacilante, e ele era perseguido todos os dias pela dúvida de que a hóstia consagrada fosse o verdadeiro Corpo de Cristo e o vinho o Seu Verdadeiro Sangue.
 
Foi quando, certa manhã, celebrando a Santa Missa, mais do que nunca atormentado pela dúvida, após proferir as palavras da Consagração, ele viu a hóstia converter-se em Carne viva e o vinho em Sangue vivo.
 
Sentiu-se confuso e dominado pelo temor diante de tão espantoso milagre.
 
Até que em meio a transbordante alegria, o rosto banhado em lágrimas, voltou-se para as pessoas presentes e disse: "Ó bem-aventuradas testemunhas diante de quem, para confundir minha incredulidade, o Santo Deus quis desvendar neste Santíssimo Sacramento e tornar-se visível aos vossos olhos.
 
Eis aqui a Carne e o Sangue do nosso Cristo muito amado!"
 
A estas palavras os fiéis se precipitaram para o altar e começaram também a chorar e a pedir misericórdia. Logo a notícia se espalhou por toda a pequena cidade, transformando o Monge em um novo Tomé.
 
Aos reconhecimentos eclesiásticos do Milagre, veio juntar-se o pronunciamento da Ciência Moderna através de minuciosas e rigorosas provas de laboratório.
 
Após algum tempo de trabalho, exatamente a 4 de março de 1971, os pesquisadores publicaram um relatório contendo o resultado das análises:
 
- a Carne é verdadeira carne e o Sangue é verdadeiro sangue;
 
- a Carne é do tecido muscular do coração (miocárdio);
 
- a Carne e o Sangue são do tipo AB e pertencem à espécie humana;
 
- a conservação da Carne e do Sangue, deixados ao natural por 12 séculos e ex-postos à ação de agentes atmosféricos e biológicos, permanece um fenômeno extraordinário.
 
Outro detalhe inexplicável: pesando-se as bolotas de sangue coagulado (e todas são de tamanho e forma diferentes) cada uma delas tem exatamente o mesmo peso das cinco bolo-tas juntas.
 
Deus parece brincar com o peso normal dos objetos.
 
Depois que foram conhecidas as conclusões dessa pesquisa científica, os peregrinos vêm de toda parte venerar a Hóstia que se tornou Carne e o Vinho consagrado que se tornou Sangue.
 
É bem uma prova direta de que Jesus Cristo ressuscitou verdadeiramente, de que a Eucaristia é o Corpo e o Sangue de Cristo glorioso, assentado à direita do Pai e que, tendo saído do túmulo na manhã de Páscoa, não pode mais morrer.
 
É assim que o Milagre de Lanciano, desafiando a ação do tempo e toda a lógica da ciência humana, se apresenta aos nossos olhos como a prova mais viva e palpável de que o "COMEI TODOS E BEBEI...", mais do que uma simples simbologia como possa parecer, é o sinal Divino de que no Sacramento da Eucaristia está o alimento do nosso espírito, da nossa fé e da nossa esperança nas promessas de Cristo para a nossa Salvação.






25.6.04

DÓI...
MIGUEL FALABELLA
CONTOS E LENDAS
 
 
Trancar o dedo numa porta dói. Bater com o queixo no chão dói.
 
Torcer o tornozelo dói. Um tapa, um soco, um pontapé, doem.
 
Dói bater a cabeça na quina da mesa, dói morder a língua, dói cólica, cárie e pedra no rim.
 
Mas o que mais dói é a saudade.
 
Saudade de um irmão que mora longe.
 
Saudade de uma cachoeira da infância.
 
Saudade do gosto de uma fruta que não se encontra mais.
 
Saudade do pai que morreu, do amigo imaginário que nunca existiu.
 
Saudade de uma cidade.
 
Saudade da gente mesmo, que o tempo não perdoa.
 
Doem essas saudades todas.
 
Mas a saudade mais dolorida é a saudade de quem se ama.
 
Saudade da pele, do cheiro, dos beijos.
 
Saudade da presença, e até da ausência consentida.
 
Você podia ficar na sala e ela no quarto, sem se verem, mas sabiam-se lá.
 
Você podia ficar o dia sem vê-la, ela o dia sem vê-lo, mas sabiam-se amanhã.
 
Contudo, quando o amor desgasta, aparece uma saudade que ninguém sabe como deter.
 
Saudade é basicamente não saber.
 
Não saber mais se ela continua fungando num ambiente mais frio.
 
Não saber se ele continua sem fazer a barba por causa daquela alergia.
 
Não saber se ela ainda usa aquela saia.
 
Não saber se ele foi na consulta com o dermatologista como prometeu.
 
Não saber se ela tem comido bem por causa daquela mania de estar sempre ocupada, se ele tem assistido as aulas de inglês, se aprendeu a entrar na Internet e encontrar a página do Diário Oficial, se ela aprendeu a estacionar entre dois carros, se ele continua preferindo Antártica, se ela continua preferindo suco de melancia, se ele continua sorrindo com aqueles olhinhos apertados, se ela continua dançando daquele jeitinho enlouquecedor e cantando tão bem, se ele continua adorando o MC Donald's, se ele continua amando, se ela continua a chorar até nas comédias.
 
Saudade é não saber mesmo!
 
Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.
 
Saudade é não querer saber se ela está com outro, e ao mesmo tempo querer.
 
É não saber se ele está feliz, e ao mesmo tempo perguntar a todos os amigos por isso...
 
É não querer saber se ele está mais magro, se ela está mais bela.
 
Saudade é nunca mais saber de quem se ama, e ainda assim doer.
 
Saudade é isso que senti enquanto estive escrevendo e o que você, provavelmente, está sentindo agora depois que acabou de ler.






24.6.04

CRIAÇÃO DA MULHER
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Quando Deus fez a Mulher, ele estava no sexto dia, trabalhando até depois do expediente.
 
Um anjo apareceu e disse:
 
-"Porque o Sr. está gastando tanto tempo fazendo isso?"
 
E o Senhor respondeu:
 
-"Você viu a planilha de especificações técnicas dela? Ela tem que ser totalmente lavável, mas não pode ser de plástico, ter mais de 200 partes móveis, todas intercambiáveis, funcionar com coca-cola diet e resto do almoço, ter um colo que pode acolher quatro  crianças de uma vez, ter um beijo que pode curar qualquer coisa, desde um joelho arranhado até um coração partido e ter dois pares de mãos."
 
O anjo ficou impressionado com as exigências.
 
-"Dois pares de mãos! Não tem jeito! E isso é só o modelo básico? Isso é demais para um dia só de trabalho. Deixe para terminar amanhã."
 
-"Mas eu não posso fazer isso", protestou o Senhor. "Estou tão perto de terminar esta criação que está tão perto do meu coração. Ela até cura a si mesma quando está doente e é capaz de trabalhar 18 horas por dia."
 
O anjo se aproximou e tocou a Mulher.
 
-"Mas o Senhor a fez tão frágil."
 
-"Ela é frágil," o Senhor concordou, "mas eu também a fiz resistente. Você não tem idéia do que ela é capaz de suportar ou conquistar"
 
-"Ela será capaz de pensar?" Perguntou o anjo.
 
O Senhor respondeu:
 
-"Não só será capaz de pensar, como de argumentar e negociar."
 
O anjo viu alguma coisa, e estendendo a mão, tocou a face da Mulher.
 
-"Oh, parece que tem um vazamento nesse modelo. Eu disse que o Senhor estava tentando colocar coisas demais nela."
 
-"Isso não é um vazamento", corrigiu o Senhor, "isso é uma lágrima!"
 
-"E para que serve?" perguntou o anjo.
 
O Senhor disse:
 
-"A lágrima é a sua maneira de expressar alegria, tristeza, dor, desapontamento, amor, solidão, luto e orgulho."
 
O anjo estava impressionado.
 
-"O Senhor é um gênio! Pensou em tudo! Mulher é realmente impressionante!"
 
Sim! Mulheres têm forças que impressionam os homens. Elas suportam dificuldades e carregam fardos, mas mantêm a alegria, amor e o contentamento. Elas sorriem quando querem gritar.
 
Cantam quando querem chorar. Choram quando estão felizes e riem quando estão nervosas. 
 
Lutam por aquilo que acreditam. Erguem-se contra a injustiça. Não aceitam "não" como resposta quando acreditam que há uma solução melhor.
 
Passam sem para que sua família possa ter. Acompanham um amigo assustado ao médico. Amam incondicionalmente.
 
Choram quando seu filhos se destacam e rejubilam-se quando seus amigos são premiados.
 
Ficam felizes quando ouvem sobre um nascimento ou um casamento. Seus corações se partem quando um amigo morre. Elas se enlutam pela perda de um membro da família, no entanto são fortes quando se pensa que não há mais força.Sabem que um abraço e um beijo pode ajudar a curar um coração partido.
 
Mulheres vêm em todos os tamanhos, cores e formas. Elas vão dirigir carros, pilotar aviões, andar, correr ou mandar e-mails, para mostrar o quanto elas se importam com as pessoas.
 
O coração de uma mulher é o que faz o mundo continuar girando!
 
Elas trazem alegria e esperança. Têm compaixão e ideais. Dão apoio moral a seus amigos e familiares.
 
Têm coisas vitais a dizer e tudo a dar.






24.6.04

CIPRESTE
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Um monge perguntou ao mestre:
 
"Qual o significado de Dharma-Buddha?"
 
O mestre apontou e disse:
 
"O cipreste no jardim."
 
O monge ficou irritado, e disse:
 
"Não, não! Não use parábolas aludindo a coisas concretas! Quero uma explicação intelectual clara do termo!"
 
"Então eu não vou usar nada concreto, e serei intelectualmente claro," disse o mestre. O monge esperou um pouco, e vendo que o mestre não iria continuar fez a mesma pergunta:
 
"Então? Qual o significado de Dharma-Buddha?"
 
O mestre apontou e disse:
 
"O cipreste no jardim."






24.6.04

PASSE ISTO ADIANTE
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Lá estava eu com minha família, em férias, num acampamento isolado e com carro enguiçado. Isso aconteceu há 5 anos, mas lembro-me como se fosse ontem. Tentei dar a partida no carro. Nada. Caminhei para fora do acampamento e felizmente meus palavrões foram abafados pelo barulho do riacho. Minha mulher e eu, concluímos que éramos vítimas de uma bateria arriada.
 
Sem alternativa, decidi voltar á pé até a vila mais próxima e procurar ajuda. Depois de uma hora e um tornozelo torcido, cheguei finalmente a um posto de gasolina. Ao me aproximar do posto, lembrei que era domingo e é claro, o lugar estava fechado. Por sorte havia um telefone público e uma lista telefônica já com as folhas em frangalhos.
 
Consegui ligar para a única companhia de auto socorro que encontrei na lista, localizada a cerca de 30km dali.
 
- Não tem problema, disse a pessoa do outro lado da linha, normalmente estou fechado aos domingos, mas posso chegar aí em mais ou menos meia hora.
 
Fiquei aliviado, mas ao mesmo tempo consciente das implicações financeiras que essa oferta de ajuda me causaria. Logo seguíamos, eu e o Zé, no seu reluzente caminhão-guincho em direção ao acampamento.
 
Quando saí do caminhão, observei com espanto o Zé descer com aparelhos a perna, e com a ajuda de muletas para se locomover.
 
Santo Deus! Ele era paraplégico!
 
Enquanto se movimentava, comecei novamente minha ginástica mental em calcular o preço da sua ajuda.
 
- É só uma bateria descarregada, uma pequena carga elétrica e vocês poderão seguir viagem, disse-me ele.
 
O homem era impressionante, enquanto a bateria carregava, distraiu meu filho com truques de mágica, e chegou a tirar uma moeda da orelha, presenteando-a ao garoto.
 
Enquanto colocava os cabos de volta no caminhão, perguntei quanto lhe devia.
 
Oh! nada! respondeu, para minha surpresa.
 
- Tenho que lhe pagar alguma coisa, insisti.
 
- Não, reiterou ele. Há muitos anos atrás, alguém me ajudou a sair de uma situação muito pior, quando perdi as minhas pernas, e o sujeito que me socorreu, simplesmente me disse:
 
- Quando tiver uma oportunidade, "PASSE ISTO ADIANTE!".
 
Eis minha chance... Você não me deve nada! Apenas lembre-se: Quando tiver uma oportunidade semelhante, faça o mesmo...
 
"Somos todos anjos de uma asa só, precisamos nos abraçar para alçar vôo".






24.6.04

A BELA NOITE
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Baso e seus três discípulos, Hyakujo, Nansen e Chizu (o nome deste último significa "armazén de Sabedoria"), contemplavam, juntos, a bela lua de Outono.
 
Hyakujo disse:
 
"Esta é uma noite ideal para realizar-se uma cerimônia buddhista!"
 
Nansen disse:
 
"Esta noite é perfeita para fazer zazen."
 
Mas Chizu nada disse. Contemplava, com um suave sorriso, a bela lua naquela linda noite...
 
O Mestre Baso então comentou:
 
"O Sutra acabou de preencher o "armazém de Sabedoria". Depois retornou ao Oceano, ao Universo..."






23.6.04

MANDE O MELHOR!
SILVIA SCHMIDT & ANNIE PARKER
CONTOS E LENDAS
 
 
Uma mãe estava trabalhando quando recebeu um telefonema de casa, avisando-a de que seu bebê estava muito doente.
 
Imediatamente saiu, pegou o carro e parou numa farmácia para comprar algum medicamento para sua criança.
 
Quando voltou para o carro notou que havia travado a porta e que deixara as chaves lá dentro.
 
Estava apressada para chegar em casa, aflita para ver seu bebê, não sabia o que fazer.
 
Telefonou para a babá, contou o que havia acontecido e que não conseguia abrir a porta do carro.
 
A babá lhe disse que a criança estava pior e acrescentou:
 
" A senhora precisa encontrar um pedaço de arame e usá-lo para abrir a porta "
 
Olhando em volta ela viu no chão um pedaço de arame que alguém provavelmente já usara para o mesmo fim.
 
Pegou-o e disse para si mesma: " eu não sei como usar isto! "
 
Sua cabeça pendeu pesadamente e ela pediu a Deus que lhe mandasse ajuda.
 
Em menos de 5 minutos um carro velho e enferrujado encostou e dele desceu um homem muito sujo, barbudo, usando um imundo boné de lã .
 
A mãe pensou:
 
" Ó, Deus, é isso que o Senhor envia para ajudar-me? "
 
Mas estava tão desesperada, que até sentiu-se grata.
 
O homem veio ao seu encontro e perguntou se podia ajudar.
 
Disse ela:
 
" Sim, meu bebê está muito doente, eu parei o carro aqui para comprar remédios e bati a porta do carro, deixando as chaves lá dentro. Eu preciso socorrer meu bebê! Preciso ir para casa! Por favor, o senhor sabe como usar este arame para abrir o carro? "
 
Disse ele "claro que sim", dirigindo-se para o veículo.
 
Em poucos segundos a porta estava aberta.
 
Ela abraçou o homem e em lágrimas lhe disse:
 
" Muito obrigada ! O senhor é um homem muito bom ! "
 
Ele retrucou:
 
" Senhora, eu não sou um homem bom , saí da cadeia há menos de uma hora : eu estava preso por roubo de carros "
 
Ela sentiu seu coração vibrar de gratidão, abraçou o homem novamente e, chorando mais ainda, ergueu a cabeça para o céu e gritou bem alto:
 
" OBRIGADA , DEUS , POR ME MANDAR UM PROFISSIONAL ! "






23.6.04

O DHARMA ETERNO
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Um dia um discípulo perguntou ao seu professor:
 
"Mestre, todas as coisas existentes têm de extinguir-se, mas há uma Verdade Eterna?"
 
"Sim," disse o mestre. E apontou para o jardim:
 
"Ela é como as flores do campo, que de tão belas parecem brocados de pura seda; como um riacho aparentemente imóvel, mas que de fato está fluindo suavemente para o oceano."
 
Koan: Buscamos a Verdade longe, mas ela está sempre próxima de nós.






23.6.04

TAM HAO VAN
CONTOS E LENDAS
 
 
O monge perguntou ao Mestre:
 
"Como posso sair do Samsara?"
 
O Mestre respondeu:
 
"Quem te colocou nele?"






23.6.04

DESCONHEÇO O AUTOR
TRADUÇÃO DE SERGIO BARROS
CONTOS E LENDAS
 
 
Um dia um homem já de certa idade abordou um ônibus.
Enquanto subia, um de seus sapatos escorregou para o lado de fora. 
 
A porta se fechou e o ônibus saiu, então ficou incapaz de recuperá-lo. 
 
O homem tranqüilamente retirou seu outro sapato e jogou-o pela janela. 
 
Um rapaz no ônibus, vendo o que aconteceu e não podendo ajudar ao homem, perguntou, 
 
- Notei o que o senhor fez. Por que jogou fora seu outro sapato? 
 
O homem prontamente respondeu, 
 
- De forma que quem o encontrar seja capaz de usá-los.
 
Provavelmente apenas alguém necessitado dará importância à um sapato usado encontrada na rua. 
 
E de nada lhe adiantará apenas um pé de sapato. 
 
O homem mostrou ao jovem que não vale à pena agarrar-se a algo simplesmente por possui-lo e nem porque você não deseja que outro o tenha. 
 
Perdemos coisas o tempo todo. 
 
A perda pode nos parecer penosa e injusta inicialmente, mas a perda só acontece de modo que mudanças, na maioria das vezes positivas, possam ocorrer em nossa vida. 
 
Como o homem da história, nós temos que aprender a desprender. Alguma força decidiu que era hora daquele homem perder seu sapato. Talvez isto tenha acontecido para iniciar uma série de outros acontecimentos bem melhores para o homem do que aquele par de sapatos. 
 
Talvez a procura por outro par de sapatos tenha levado o homem à um grande benfeitor. 
 
Talvez uma nova e forte amizade com o rapaz no ônibus. 
 
Talvez aquele rapaz precisasse presenciar aquele acontecimento para adotar uma ação semelhante. 
 
Talvez a pessoa que encontrou os sapatos tenha, à partir daí, a única forma de proteger os pés. 
 
Seja qual for a razão, não podemos evitar de perder coisas. 
 
O homem sabia disto. 
 
Um de seus sapatos tinha saído de seu alcance. 
 
O sapato restante não mais lhe ajudaria, mas seria um ótimo presente para uma pessoa desabrigada, precisando desesperadamente de proteção do chão. 
 
Acumular posses não nos fazem melhores e nem faz o mundo melhor. Todos temos que decidir constantemente se algumas coisas devem manter seu curso em nossa vida ou se estariam melhor com outros. 






23.6.04

O COBRADOR
DESCONHEÇO O AUTOR
CONTOS E LENDAS
 
 
Depois de um dia de caminhada pela mata, mestre e discípulo retornavam ao casebre, seguindo por uma longa estrada.
 
Ao passarem próximo a uma moita de samambaia, ouviram um gemido.
 
Verificaram e descobriram, caído, um homem. Estava pálido e com uma grande mancha de sangue, próximo ao coração. O homem tinha sido ferido e já estava próximo da inconsciência.
 
Com muita dificuldade, mestre e discípulo carregaram o homem para o casebre rústico, onde trataram do ferimento.
 
Uma semana depois, já restabelecido, o homem contou que havia sido assaltado e que ao reagir fora ferido por uma faca.
 
Disse que conhecia seu agressor, e que não descansaria enquanto não se vingasse.
 
Disposto a partir, o homem disse ao sábio:
 
- Senhor, muito lhe agradeço por ter salvo minha vida. Tenho que partir e levo comigo a gratidão por sua bondade. Vou ao encontro daquele que me atacou e vou fazer com que ele sinta a mesma dor que senti.
 
O mestre olhou fixo para o homem e disse:
 
- Vá e faça o que deseja. Entretanto, devo informá-lo de que você me deve três mil moedas de ouro, como pagamento pelo tratamento que lhe fiz.
 
O homem ficou assustado e disse:
 
- Senhor, é muito dinheiro. Sou um trabalhador e não tenho como lhe pagar esse valor!
 
- Se não podes pagar pelo bem que recebeste, com que direito queres  cobrar  o mal que lhe fizeram?
 
O homem ficou confuso e o mestre concluiu:
 
- Antes de cobrar alguma coisa, procure saber quanto você deve. Não faça cobrança pelas coisas ruins que te aconteçam nesta vida, pois a vida pode lhe cobrar tudo que você lhe deve. E com certeza você vai pagar muito mais caro...